sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

2009 ou tanto faz, uma visão geral e particular.

É fato que todo início de ano vale algumas reflexões baseada na verdade, no bem e no mal. Conceituando as ações do ano que termina para uma reflexão futura. E sinceramente, às vezes, isto é literalmente um porre! Pois bem, de porre ou não, resolvi compartilhar minhas reflexões de 2009 ou, tanto faz.

Como metódica que sou, faço questão de esclarecer o “tanto faz” aos apreçados julgadores da conduta humana. Não é um menosprezo ao 2009, nem a réveillon e festas barulhentas. E apenas uma forma objetiva de enxergar um dos legados culturais da Mesopotâmia - o calendário e a divisão do círculo em 360º. Quando pudemos entender que a terra, depois de 364 dias, completa uma volta em torno do sol. Isso realmente vale uma boa festa!

Agora, será que as pessoas só param para refletir uma vez em 364 dias? E preciso estar “atendo e forte” durante 363 dias. E um dia (último do ano), ficamos de porre e esquecemos, um pouco, as tais reflexões. Afinal, o planeta, merece uma boa festa, num mesmo?

Então voltado as “minhas reflexões”, penso que a verdade não é compartilhada. Aquele que conhece o que é sabe o que deve ser. É impossível identificar o conhecimento objetivo e a verdade. Não porque somos uma sociedade desordenada, mas, porque somos vários, com diversos valores e juízos. E não cabe dizer qual é a melhor, se é a da África, o da Ásia, ou do Brasil central.

Só um parêntese, ontem na posse do Prefeito de Uberaba e dos Vereadores, pode perceber duas verdades em confronto; de um grupo que dizia que o melhor, baseado em sua verdade, era a escolha de um determinado presidente para Câmara Municipal, pelo fato de ter o apoio do Prefeito. E outro grupo, baseado na verdade da autonomia do poder legislativo indicando outro presidente. Neste caso específico existe norma de conduta pública, que prevê a autonomia e independência dos poderes, portando a verdade, neste caso era da chapa dois, encabeçado pelo Presidente Lourival dos Santos (PCdoB) que por sinal, ganhou a disputa.

Digo isso para lembrar que apesar da diversidade cultural, não podemos crer que todas as opiniões individuais se valem. O valor de uma opinião mede-se por sua universalização, por seu poder de reunir os sufrágios. O que é bem relativo. Mas digo principalmente, porque todo início de ano, surgem às grandes verdades.

E a do momento, é de ser mais passivo e buscar um corpo perfeito. Num grande slogan de “faça meditação e malhe”, assim você estará na crista universal. Mas, o universal num é dado, ele está por ser conquistado pelo homem. Neste caso o poder substitui a verdade. Então, não vale dizer que em 2009, você será mais legal, passivo, magro e bonito. Lembra-se “Aquele que conhece o que é sabe o que deve ser.” E o universal deve se conquistado pelo homem. E é isto que queremos conquistar? Um mundo fashion a lá Woodstock.

Essa é a minha verdade para qualquer dia do ano. Faz bem cada um ter a sua, (com validade para o ano inteiro), respeitando certos valores da sua comunidade, sem julgar a incrível diversidade cultural do planeta. Agora sobre as ações; o que fiz ou não fiz ou devo fazer, também tenho uma teoria para isso.

A natureza humana não é humana o bastante. As minhas ações visam à liberdade, sem dogmas nem fé, em favor de outros fins que o poder, a riqueza ou o puro prazer. O homem que age pensando somente nestes objetivos não escolhe não faz sua história, estaria apenas seguindo sua natureza, deixando de ser humano.Isso é passividade de reflexão que por sinal diminui a ação. Porque afeta a interrogação que o homem traz em si próprio e sobre si próprio, seguindo o que é determinado e não agindo com liberdade.
Essa reflexão que me acompanha os 364 dias do ano. Que é colocar em prática ações que tem como fim a minha liberdade e a liberdade dos "outros". E pra quem chegou até aqui, digo que não existe um manual ou uma lista de boas intenções, apenas responda a você mesmo; O que quer? O que pode? E que deve fazer?

Nenhum comentário:

Postar um comentário