terça-feira, 29 de junho de 2010

Na escolinha do Professor Serra, alunos pagam por prova*

Dinheiro é cobrado por escolas sob justificativa de falta de verba para papel sulfite; estudante que deixa de pagar R$ 1 para receber cópia xerográfica da avaliação tem que transcrever todas questões

Bruna Campos, 11 anos, estudante do 5º ano do ensino fundamental da rede estadual de São José dos Campos, precisa contar as moedas que tem no bolso antes de ir ao colégio em época de prova. Isso porque tem que pagar R$ 1 para receber o teste em cópia xerográfica, caso contrário é obrigada a copiar toda avaliação à mão.

O dinheiro é cobrado sob a justificativa de falta de verba para fornecer papel sulfite, segundo os pais e alunos. Por frequentar uma escola mantida pelo Estado, Bruna estaria livre de qualquer ônus para fazer o curso, mas desde o ano passado tem que desembolsar R$ 1 por bimestre para realizar as provas se não quiser perder tempo transcrevendo as questões.

Maria Cláudia mãe de Bruna, que estuda na escola estadual Euclides Bueno Miragaia, na Vila Nair, na região sudeste, disse que a prática da cobrança é recorrente e o valor seria usado para custear a compra de papel. “Pode parecer pouca coisa, mas tenho três filhos na escola, ai já são R$ 3 que tenho que pagar. Esse dinheiro dá para comprar outras coisas, como pão e leite. A escola disse apenas que era para a compra de papel. A máquina para fazer cópia eu sei que eles têm”, afirmou

* Do blog Os Amigos do Presidente Lula

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Dilma daqui a pouco no RODAVIVA

Do blog Amigos do Presidente Lula:

O PIG (Partido da Imprensa Golpista) mentiu e perdeu o discurso de que Dilma Rousseff estaria "evitando" entrevistas, por estar na frente nas pesquisas.

Ontem foi ao ar entrevista dela na Rede TV, e hoje (28) será a vez do programa Roda Viva, da TV Cultura (do governo demo-tucano de São Paulo), entrevistá-la.

Horários do programa:

18 Horas - transmissão ao vivo pela internet, na hora da gravação do programa. Os internautas podem enviar perguntas.

http://www.tvcultura.com.br/rodaviva/programa/1210

22 horas - Transmissão pela TV Cultura de São Paulo

24 horas - Transmissão pela TV BRASIL ou emissoras públicas estaduais.

O pelotão de fuzilam..., quer dizer, de entrevistadores, será composto pelos jornalistas do PIG:

- Do Jornal O Globo: Germano Oliveira;

- Do Estadão: Luiz Fernando Rila;

- Da "Folha": Sérgio Dávila;

- Do jornal Valor Econômico: Vera Brandimarte.

domingo, 27 de junho de 2010

Para que serve uma relação?*

Logo após o que postei abaixo, recebi este e-mail. Bem acho que as coisas ficaram um pouco piores!

Definição mais simples e exata sobre o sentido de mantermos uma relação?

"Uma relação tem que servir para tornar a vida dos dois mais fácil".

Vou dar continuidade a esta afirmação porque o assunto é bom, e merece ser desenvolvido.

Algumas pessoas mantém relações para se sentirem integradas na sociedade, para provarem a si mesmas que são capazes de ser amadas, para evitar a solidão, por dinheiro ou por preguiça. Todos fadados à frustração.Uma armadilha.

Uma relação tem que servir para você se sentir 100% à vontade com outra pessoa, à vontade para concordar com ela e discordar dela, para ter sexo sem não-me-toques ou para cair no sono logo após o jantar, pregado.

Uma relação tem que servir para você ter com quem ir ao cinema de mãos dadas, para ter alguém que instale o som novo, enquanto você prepara uma omelete, para ter alguém com quem viajar para um país distante, para ter alguém com quem ficar em silêncio, sem que nenhum dos dois se incomode com isso.

Uma relação tem que servir para, às vezes, estimular você a se produzir, e, quase sempre, estimular você a ser do jeito que é, de cara lavada uma pessoa bonita a seu modo.

Uma relação tem que servir para um e outro se sentirem amparados nas suas inquietações, para ensinar a confiar, a respeitar as diferenças que há entre as pessoas, e deve servir para fazer os dois se divertirem demais, mesmo em casa, principalmente em casa.

Uma relação tem que servir para cobrir as despesas um do outro num momento de aperto, e cobrir as dores um do outro num momento de melancolia, e cobrirem o corpo um do outro, quando o cobertor cair.

Uma relação tem que servir para um acompanhar o outro no médico, para um perdoar as fraquezas do outro, para um abrir a garrafa de vinho e para o outro abrir o jogo, e para os dois abrirem-se para o mundo, cientes de que o mundo não se resume aos dois.


*Dr. Drauzio Varela

Odeio que duvidem de mim

Na boa tem coisa, mas chata! Dizer ou insinuar que fez uma coisa que num fez. E passar a ser a malzinha da história sem motivo algum. Nunca gostei de fazer julgamentos, então não façam comigo! Sempre tomei a decisão de tentar evitar julgar aos outros, né? Pra não fazer nada de que eu fosse me arrepender depois. Mas parece que uma praga me persegue por conta disto!! Vira e mexe gente que eu gosto muito me julga sem nem me dar chance de falar nada!

Já fui julgada e condenada sem nem saber porquê! Ahhh e como isso incomoda muito. E me magoa profundamente quando sou julgada por quem eu amo sem chance de dar minha versão dos fatos. Sempre quis ouvir tudo antes de começar a falar. Olha não conheço nenhuma mulher, a não ser as profissionais do sexo que tenho o maior respeito, que fiquei com um homem e vá dormir com outro na mesma noite.

Aí foi num churrasco com um casal de amigos e voltei para casa para que meu “...” me buscasse, tava num lugar longe e meio esquisito e achei melhor ele me pegar em casa, bebi um pouco além. Pronto! Foi o suficiente pra insinuar coisas e jogar dúvidas no ar. Fiquei me sentindo uma caquinha. Sinceramente passar pela cabeça de alguém que convivo há 9 meses que faria uma coisa desta! Não recebo o valor que mereço, não faria isto com o meu corpo a qual eu respeito mais do que qualquer homem. Sou marxista e acredito na monogamia. Pode parecer idiota, mas sou assim!

Eu fico mesmo chateada com estas situações. Porque eu não julgo ninguém assim. E se quem faz isto comigo é gente que eu gosto muito, aí é que é complicado mesmo. A pessoa devia me conhecer o suficiente pra saber que eu mereço muito respeito, por que acima de tudo eu me respeito e assim a todos que convivo.


Sumayra está chateada e com vontade de não falar mais com quem não merece.

sábado, 26 de junho de 2010

Sozinha

Engraçando como são as coisas que nem sempre são. Moro com meu filho, minha mãe, meu pai, meu irmão do meio e o fluck. Tem dias que desejo do fundo da minha alma ficar sozinha com meu pequeno enorme filho de 13 anos (coisa mais linda da mamãe. Quem ama quem ama? É a mamãe) Sabe quando todos falam juntos ao mesmo tempo inclusive o fluck um cocker spaniel (tchuco tchuco) Nossa,  surge um desejo insano pela solidão, a volta pro cariri.

Hoje todos se foram por um final de semana. Eu com minhas 594 coisas que faço não pude ir. Estou sozinha em casa. Yes!!!! Enfim o cariri!

Mas as coisas nem sempre são como são. To aqui sozinha com medo até do barulho da água pingando do chuveiro! Querendo minha mãe me chamado para mostrar as coisas bobas da novela, meu filho me gritando para arrumar ou ajudar em alguma coisa, meu pai me alugando com minhas péssimas escolhas de relacionamento e o mal-humorado do meu irmão enchendo o saco.

Voltem logo! Com toda aquela barulheira o barulho do pingo do chuveiro não vai me atormentar mais.

Sumayra diz para todos o barulhim do água pingando ta virando barulhão.

sábado, 12 de junho de 2010

Homenagem ao dia de hoje

Conseiêiro de Deus*

Vou fazer a minha reza
Em forma de poesia
De um devoto que muito presa
O pudê da Criação
E que Deus num interprete
Que tô lhe dando consêio
E se os pecado são sete
Eu não quero me enquadrá
Nos pecado capitá
Ou em outro tipo quarqué

Deus quando fez o universo
Fez o home e a muié
Sem pedir pra quem quer que fosse
Ajuda ou opinião
E o mundo então mostrou-se
Do jeito que ele é
E não há de ser agora
Que eu vou ser parpitêro
Me metendo a conseiêro
De um ser que em sete dia
Fez as sete maravia
E o resto do mundo intêro

Cada coisa em seu lugar
Fez o rio, fez o mar
A canoa e o canoeiro
Fez as planta, fez os bicho
Passarinho cantador
Os espinho e as flor
Tudo ali bem juntinho
Borboleta colorida
Também fez a margarida
Fez o cravo e a rosa
Cada uma com seu cheiro
Mas todas são perfumosa

A rapidez do beija flor
A astúcia da abêia
Morcego que chupa vêia
Com os seus vôo rasante
A pulga e o elefante
Cada um com seu tamanho
Ornitorrinco, bicho estranho
Mas de muita boniteza
No peixe, a ligerêza
Garante a sua vida
No verão fez dia longo
No inverno noite comprida

Mas que Deus não me castigue
Pelo que eu vou falá
Ele deixou ficá faltando
O que não devia faltá
Esqueceu de avisá
Que não tem remédio pra dô
A mais dilurida
A dô do amô
Que pode inté matá
 
*Música de Luiz Salgado

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Doce pimenta azeda

Não sei explicar, mas é assim comigo; quem me conhece da rua, coisas de Damatta, diria: Dura como uma rocha. Quem me conhece de casa, coisas de Damatta, diria: frágil e boba! Chegou à hora de saber; frágil como flor ou dura como mineral, azeda como um limão ou doce como a limonada lá do Rio Negro, ardida que nem pimenta ou necessária que nem a feijoada da Luzia na sexta-feira.

Sempre acreditei em pessoas, contos, estórias, espíritos, intuição, oração, tem até quem me mande fazer simpatia para arrumar homem bão, sempre do risada, mas hora outra me pego pensando, tudo, em tudo mesmo, e pra mim a maldade é coisa de um tempo que nem sei qual é. Parece que o mundo fica mais bonito e prefiro ele assim. Sei que tem um bocado de gente que acorda e dorme pensando em fazer coisas que acham certas e prejudicam um tantão de pessoas. Mas sinceramente nem conheço ninguém assim, e às vezes ate penso que isso é mais coisas de novela da bobo.

Bom, de qualquer maneira, sempre fui assim nem doce nem azeda, vejo que todas as pessoas têm um lado bom, que sonhos se realizam e que tem sofrimento sim, mas que é coisa boa para fazer a gente perder certezas. . Coisa de gente boba né! É o que dizem alguns. Mas sou assim, fazer o quê. As vezes tenho medo, muito mesmo. Me consome e não consigo dormir. Acendo uma vela e peço proteção dos anjos da guarda, do coelhinho da Páscoa, do Papai do Céu, de Batman e Robin também, em fim de quem estiver por perto que me façam fechar os olhos e os ouvidos, pois preciso dormir, amanhã tenho que acordar cedo. Nem sempre funciona, mas nem sempre acredito e a gente tem que acreditar né, tanto pro bem vir quanto pro mal sumir.

Fazer o quê né, nasci e permaneci assim, a doce pimenta azeda que no fundo tem medo até de mula sem cabeça, mas o que não tem explicação, nem pra sim nem pra não, ihhhh. Vai saber.


Sumayra acredita que a verdade é o caminho mais curto para a felicidade.


quinta-feira, 10 de junho de 2010

treinamento em Uberaba do Fundo Estadual de Cultura

Diretor do Fundo Estadual de Cultura, Sr. Flávio de Tarso, é o palestrante do treinamento que será realizado no próximo dia 11 de junho, das 14h às 17h no Mezanino da Prefeitura Municipal.

O objetivo, segundo ele, é ampliar o acesso aos recursos do Fundo Estadual de Cultura (FEC), da Secretaria de Estado de Cultura- “Fiz questão de vir pessoalmente a Uberaba para o treinamento tendo em vista a importância dele para região”.

Os slides em power point foram enviados pelo Diretor e estão à disposição dos interessados.

Faça sua inscrição através do email: www.culturauberaba@gmail.com ou pelo telefone 34- 3331 9206 (Karla ou Lisete).

Local:

Mezanino (da Sec.Fazenda) na Prefeitura Municipal de Uberaba

Endereço: Av Dom Luiz Maria Santana, 141 - Bairro Santa Marta

Horário: 14h às 17h.

*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Acertei ou errei?

Nem bem começou a vida
E necessita em sangue e alma
De anéis que o prendam

Pede respeito à dupla parterna-maternidade
Mas não compreende a modernidade
Acusa o trabalho e a intelectualidade
Pela ausência pátria

Quando será que saberei?
Acertei ou errei?

O que me resolve à ética e honra

Estou a debulhar trigos de individualidade, no sentido contrário a liberdade
Essa que me acompanha pela minha honra e ética
Estou em mim implorando pessoalidade
A quem em me determine seu alvedrio e me castre a respiração, o coração e minha determinação em brasa e cinza.

O que adianta ética, honra e essa LIBERDADE?
Qual tanto arrestou?
Estou a carpir sozinha em copo de La Mota.
Será que é verdade?
Amor não é para libertarias, defensoras de coisa e tal
È isso!
Não vêem acompanhados de amor
Como moda, ninguém sabe bem o que é.

O que adianta ética, honra, liberdade e poema?
Estou a ser mais uma abaixo de Machado.
E como Camille águem para meu espaço e tempo, e a além do meu espaço e tempo
Os idiotas se perdem em definição
Morram!
Não desisto
da ética
da honra
da liberdade
do poema e do amor.

Poema de presente

Poema ganhando ou forçado é melhor que poema feito ou desfeito engavetado:

"Preguiça
olha que muquiça
eu deitado, cansado de olho quase fechado
de repente uma luz
não
não era jesus
era um brilho no olho
e sorriso doce
estáticos todos eles
fotografia velha
a modelo me queima como vela
de sete dias?
não
de sete noites
mas enfim:
ela manda e eu obedeço
escrevi os versos
agora só quero o meu berço
sono demais
macunaíma obrigado pelo:
ai que preguiiiiiiiiiiiiiça!"