segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

OS CAÇADORES DO LOST PERDIDO

A quinta (e penúltima) temporada de Lost estréia 21 de janeiro nos Estados Unidos.
Como escrever um seriado bem-sucedido
[1] Ofereça um exército de personagens que cubra toda uma gama de arquétipos (ou, para ser menos generoso, estereótipos). Dê-nos os amigos que gostaríamos de ter: o bad boy com coração de ouro, o asiático reprimido em busca de um americano descolado para mostrar a ele como relaxar, a heroína de coração partido que só precisa aprender a amar novamente.
[2] Deixe insinuada uma série de interrelações entre esses personagens, algumas delas resultado evidente de conspiração ou destino. Faça com que suas vidas se cruzem, colidam e se interceptem.
[3] Dê a cada personagem um segredo devastador para proteger. Faça com que algum outro personagem o descubra.
4] Assalte impiedosamente seus personagens com circunstâncias que nem você entende. Brainstorms e LSD ajudam muito neste processo. Ursos polares na selva? Legal. Uma cidade subterrânea secreta composta de atrações esquisitas de circo? Perfeito! Dinossauros no shopping? Anomalias magnéticas? Lésbicas aborígenes de pés redondos? Agora sim você pegou a idéia.
[5] Explique seus mistérios da forma mais lenta possível. Faça com que suas revelações caiam como moedas da mão de um avarento. O mesmo poder de reforço intermitente que leva as pessoas a puxar a alavanca da máquina caça-níqueis fará com continuem comprando seus livros ou assistindo seu seriado porque TALVEZ, APENAS TALVEZ, alguém lhes dará uma resposta esta noite.
[6] Insira pelo menos um romance impossível. Faça com que os personagens dancem ao redor um do outro antes de ficarem juntos brevemente. Em seguida faça com que se separem, porque “não ia dar certo, de qualquer forma”. Dê a entender que eles acabarão ficando juntos, mas ofereça enquanto isso, a título de consolação, um amante dolorosamente sincero.
[7] Faça com que seus personagens sofram de forma interminável, incansável.
[8] Prolongue o seu seriado o máximo que puder. Se necessário acrescente mais personagens, mais relacionamentos, mais mistérios. Chegue talvez a resolver alguns deles. Mas, se estiver em dúvida, despeje mais!
[9] Mate um personagem de vez em quando. Elimine do rebanho os mais fracos. Mas certifique-se de fornecer ao personagem o seu momento mais significativo precisamente antes de morrer. De vez em quando ressuscite um personagem também.
[10] Dê a entender que sua série tem um plano secreto e definido, um arco completo e um final certeiro. Pensando bem, essa estratégia funciona também para Deus.
[11] Quando seu seriado perder popularidade, ou quando você se cansar de ficar inventando material bizzaro, anuncie que seu plano está completo.
[12] Para escrever seu último volume ou episódio, retire-se com sua equipe de redatores para uma cabana na floresta. Leve muitos quadros brancos, pincéis atômicos, fichas em branco, bebida alcoólica e a pilha de guardanapos de papel que você foi juntando como “a Bíblia da série”. Você pode também comprar os seus próprios DVDs e volumes anteriores. Gaste o fim de semana assistindo e lendo o que já fez, procurando encontrar uma saída. Não se preocupe, porque é exatamente como a faculdade: se você ficar sentado o tempo suficiente embebido em álcool e entre pedaços de papel, algo vai acabar lhe ocorrendo. Quando mais doido, melhor.
13. Pelo resto da vida, assinta misteriosamente diante de todas as perguntas que fizerem sobre a sua obra e diga coisas como: “bom, esta pode ser uma interpretação do Plano”.
Você pode usar estes passos para o bem ou para o mal. Pode criar uma outra Buffy, e pode criar uma outra Enterprise. Quem poderá dizer? Se você tiver bom gosto e talento, poderá quem sabe enriquecer a conversação cultural contemporânea e ainda nadar em pilhas de dinheiro. Se não tiver bom gosto nem talento, só irá nadar em pilhas de dinheiro. Você e seus futuros fãs só tem a ganhar.
Por PAULO BRABO Estocado em GOIABAS ROUBADAS

Nenhum comentário:

Postar um comentário