domingo, 20 de fevereiro de 2011

debaixo do meu chapéu...

tinha um pássaro amarelinho
que fez seu ninho
debaixo do meu chapéu

tinha um arco-íris
que entrecortava de fora a fora
o horizonte do azul do céu

tinha uma sinfonia de beethoven
que só os ingênuos ouvem
não catalogada

tão serena e leve
como o cair da neve
na esperada alvorada
que eu assobiava ao léu
debaixo do meu chapéu

quando a donzela
vinha se achegando
abanei-o em saudação
mirando a capela
por tanto amor
menos por educação

mas ali parado
por ela desnotado
senti-me judiado
quando ela virou o rosto
pro lado errado
de minha ilusão

então

o pássaro migrou
abandonou minha percepção
o arco-íris se dissipou
ensurdeci-me à canção

segui pela estrada
com a cabeça de pesar pesada
e meu chapéu na mão


Texto: REGGE
Foto: Minha
Local: Comendador em 18.02.2011




2 comentários:

  1. Sumayra, uma postagem para fazer nosso coração devir-se pura emoção, belo!
    abraços, Jorge

    ResponderExcluir
  2. debaixo do seu "Sr." chapéu.

    ResponderExcluir