domingo, 19 de junho de 2011

Quando a solidão transforma-se em escolha




Cada contato meu com alguma pessoa representava uma perda enorme de energia vital:
eu saía esgotado, confuso, com dor de cabeça e, principalmente,
com dor por não poder fazer nada pelo desespero alheio.
A minha própria miséria aumentava.
Foi aí que a solidão deixou de ser involuntária para se transformar em escolha.
E foi bom, está sendo bom.
Passo o dia lendo, ouvindo música,
vendo velhos filmes na televisão,
de vez em quando vou ao cinema ou saio para passear na beira do rio que passa atrás do edifício.
Fico lá sentado numa pedra,
fumando e pensando nas pessoas que perdi,
senão em afeto,
pelo menos em proximidade física.

(Caio F, a Vera Antoun)

Sumayra pede; "Livrai-me, Senhor de tudo o que for vazio de amor! Amém!" (Carlos Queiroz)


Nenhum comentário:

Postar um comentário