terça-feira, 10 de agosto de 2010

Revendo objetivos

Muito cansada. Não to reclamando! Gosto de trabalhar e agradeço por ter várias funções e me sentir útil ajudando um tanto de gente. Gosto disso e de desafios profissionais, fazer o que nunca fiz e fazer bem feito. Ser sempre solicitada receber novas demandas de trabalho.

Mas to muito cansada e com dor no corpo de estresse. Disso eu não gosto. Ninguém gosta eu sei, mas o que me deixa assim não é o trabalho, mas inércia ou aquela perversidade competitiva, a maldade, o puxar o tapete, a incerteza da ação humana, a vaidade, a arrogância. Comigo até hoje nada disso  aconteceu em via de fato, acho que a lei do retorno ou coisa assim.

Antes que acontece, não quero respirar essa atmosfera. Por isso  to começando a rever meus objetivos de vida. Que eram coisas assim: tornar-me uma professora e cientista universitária super conceituada, ser a mais requisitada em convenções e palestras, ser uma espécie de conselheira para segmentos importantes da sociedade na área da política, sociologia, antropologia e memória.

Mas hoje o que eu mais quero é o amor simples e puro, dos meus amigos, dos meus pais, do meu filho, dos meus irmãos e se puder de alguém que me ache sensacional sem maquiagem, salto e roupas elegantes. O mar, uma cabana, peixe e o amor... Podem rir e achar que é filme da sessão da tarde. Mas digam se esse não é o verdadeiro sucesso da vida?

Nenhum comentário:

Postar um comentário