segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Uberaba “água brilhante” dicotomia da atual fase


Segundo Hildebrando Pontes (1978), a palavra Uberaba é guarani e deriva-se do verbo berab, que significa brilhar e Y significa água, temos então  Y.berab, que é  “água brilhante”, ou água que brilha. A palavra Uberaba, escreve Lafaiete de Toledo, designa uma rica e próspera cidade mineira e, incontestavelmente de origem indígena.

Bem próximo ao local onde hoje está Uberaba, iniciou-se a extração do ouro, num lugarejo conhecido como Desemboque e mais de meio século depois, ocorre o esgotamento das minas. No início do século XIX Major Eustáquio, morador do local, resolve explorar a região. Encontrou água em abundância e pastagens naturais do cerrado. Saiu do desemboque e construiu sua casa onde é hoje, o Hotel Chaves, na Praça Rui Barbosa em Uberaba. Encontrou aqui fartura em água e condições muito propícias para a criação de gado e, logo, uma saída econômica para o fim da mineração.

A cidade organizou seu espaço a partir da Praça Rui Barbosa, mas propriamente ao lado da casa Major Eustáquio, A principal Avenida Leopoldino de Oliveira localiza-se na parte baixa da Praça (sobre o córrego das Lajes) e dela se ramificam as colinas que formam os bairros. Tudo era muita água por aqui. Até anos e anos de falta de planejamento, intensificada nos últimos 12 anos. 

Hoje, a falta de água é constante na vida do uberabense. A servidora da Câmara Municipal de Uberaba, que mora no bairro Morada do Parque, afirma; “A água só chega no meu bairro às 03 horas da manhã e termina ás 09 da manhã, não dá para fazer nada”. Situação pior e dos moradores do "Copacabana", que ficam de um até dois dias sem água. Isso não é desrespeito é crime contra a vida. Uberaba merece mais cuidado! O próximo Prefeito tem que ser extremamente competente, para lidar com a de falta de planejamento urbano e cuidado com o povo. Não basta construir casas! Tem que ter Plano Diretor e técnicos competentes no setor.

Umas das saídas propostas por um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia  (UFU), e a recuperação da mata ciliar do rio Uberaba, entre outras ações como estudo de captação de água em outras fontes. O que é inadmissível seria a privatização da Companhia de Água de Uberaba   (CODAU), como ventilada pelo atual Prefeito Anderson Adauto e vista com bons olhos pelo Governador de Minas Gerais, senhor Antônio Anastásia. 



Um comentário:

  1. Verdade Sumayra.

    Estamos aqui no Parque das Américas e a situação é muito complicada também.

    Uma campanha pra população economizar água seria muito importante também.

    ResponderExcluir