quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Por uma rede nacional de memória

O que é fazer memória? Fazer memória é transformar a história a cada dia, um processo constante que não se esgota em si mesmo. É um processo vivo, permanente. Registrar a história de um mestre ou griô? Promover o diálogo entre gerações em uma comunidade? Um círculo de histórias para contar a história de um bairro? Tudo isso é fazer memória.
Fazer memória é participar da construção de uma história que é feita no presente, mas que pode ser mudada a todo instante pelas pessoas que fazem parte dela. E por que uma iniciativa para ligar estas memórias? Tão importante quanto registrar uma história, promover uma vivência para troca de experiências de vida ou catalogar documentos e fotos é fazer com que estas memórias sejam ouvidas, registradas e usadas por outras pessoas. A construção de uma rede nacional de memória surge com este objetivo: articular iniciativas de memória para promover e democratizar a prática da memória como instrumento de visibilidade e fortalecimento da diversidade cultural e histórica do país.
Desde 2003, o Museu da Pessoa vem, em parceria com a UNESCO, o Ministério da Cultura, a Petrobras, o SESC-SP e outras instituições, empreendendo esforços para o desenvolvimento desta rede, que já conta com a participação de mais de 500 organizações dos diversos setores da sociedade. Hoje, a história de nosso país carrega e reproduz valores que contribuem para a exclusão social. Sem que percebamos, tais valores excludentes, que privilegiam a visão e a voz de apenas alguns segmentos de nossa sociedade, são reproduzidos pela mídia, na educação e nas “culturas” mais visíveis.
Esta iniciativa busca dar maior visibilidade às múltiplas vozes presentes em nossa cultura e promover o diálogo entre produtores, articuladores e usuários das inúmeras memórias e histórias que formam hoje as culturas do país. Fortalecer essas trocas é com certeza favorecer a democratização do país e a valorização de culturas e vozes invisíveis, mas fundamentais para ampliação da visão que nossa sociedade tem hoje de si própria. Com a formação do Pontão de Cultura Brasil Memória em Rede, buscamos potencializar os esforços já em andamento, articular novas iniciativas de memória de todo o país e fortalecer ainda mais as iniciativas de memória das organizações já envolvidas na rede.
Texto: Produzido pelo Brasil Memória em Rede
Foto: Sumayra

Nenhum comentário:

Postar um comentário