quarta-feira, 25 de abril de 2012

Série: Ética e Cidadania nas eleições – Tema “Ética nas Eleições” – Bloco 3 - O Eleitor

A série"Ética e Cidadania nas Eleições” com o tema “Ética nas Eleições”,  apresenta seu terceiro bloco - O eleitor. Afinal onde buscamos as informações correta sobre os candidatos, frente a um excesso de informações no qual estamos expostos durante o período eleitoral:



Para o ex-presidente da Associação de Magistrados do Brasil, Mozart Valadares Pires, o eleitor pode ter amplas informações sobre os candidatos  a cargos eletivos antes de decidir quem merece seu voto. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) obriga os candidatos a apresentarem certidão criminal detalhada  no momento de registro na Justiça Eleitoral. A resolução é resposta a uma petição levada  pela Associação dos Magistrados Brasileiros ao TSE em 2010, como parte da campanha Eleições Limpas, que tem o objetivo de tornar as disputas eleitorais transparentes, combater a corrupção e contribuir para que a ética seja o fio condutor de todos os que assumem cargos públicos eletivos ou não. Soma-se à determinação, a recente decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de abrir os dados do Cadastro Nacional de Condenados por Ato de Improbidade Administrativa ao público externo. Com informações sobre processos penais e ações de improbidade administrativa, o eleitor poderá escolher conscientemente em quem votar. Afinal, a transparência é a essência da democracia. E, a informação, ingrediente indispensável para o exercício do voto livre e consciente.


Nenhum comentário:

Postar um comentário