domingo, 15 de dezembro de 2013

Ser assim é uma delícia... De outro jeito dá preguiça

Ser assim é uma delícia
Desse jeito como eu sou
De outro jeito dá preguiça
Sou assim pronto e acabou
A comida de costume
Como bem e não regulo
Mas tem sempre alguns legumes
Que eu não sei como eu engulo
Brincadeira, choradeira,
Pra quem vive uma vida inteira
Mentirinha, falsidade,
Pra quem vive só pela metade
Quando alguém me desaponta
Paro tudo e dou um tempo
Dali a pouco eu me dou conta
Que ninguém é cem por cento
Seja um príncipe ou um sapo
Seja um bicho ou uma pessoa
Até mesmo um pé-de-nabo
Tem alguma coisa boa

3 comentários:

  1. Sumayra, gostei imensamente de seu blog. Não pare.
    Meus parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Sumayra, gostei do blog. Não pare. Muito bom gosto.
    Meus parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Sumayra, li seu comentário sobre Claudio Manuel da Costa e o pouco ou quase nada que se sabe a seu respeito. Quando eu estudava no então Grupo Escolar Minas Gerais (atual Escola Estadual Minas Gerais), isto lá pelos idos da década de 1940, fizemos uma representação pelo dia 21 de abril, morte de Tiradentes. Lembro-me perfeitamente que meu irmão interpretou Claudio Manuel da Costa, um poeta (inconfidente mineiro) que fora degredado para uma ilha perto de Portugal. Comento sempre que atualmente nada se fala dele. Concordo, pois, com a sua opinião.

    ResponderExcluir