domingo, 12 de dezembro de 2010

Dessassossego


As meias sem par, a negação à rotina, à obediência e à normatização. A inconstância, a descerimônia, a ausência presente e a ausência definitiva. A vadiagem, o desapego, a preguiça, o sono. A solidão, a dúvida, o questionamento. A alienação, o esquecimento, a busca e minha ingenuidade de sempre. O dinheiro não poupado, o tempo gasto até o último vintém. O quarto do avesso, as diferenças acertadas, as áreas comuns, o rompimento. As disciplinas pessoais, os limites, as forças. Os desentendimentos, os diálogos, a impermanência, a partida. A insegurança, a carência. O teto, o cobertor, a geladeira, o café. Os incontáveis passados, o único presente, o futuro impensado. As possibilidades, o anonimato. Os projetos, crenças, aspirações e frustrações tão sortidas quanto pessoais. O tempo livre, a fadiga, a tosse. As contas, a roupa de cama e banho, a louça. A arte, o medo e a coragem, as paredes sem acabamento. A experiência, o cansaço, o abatimento. A fuga, a fugacidade, o desassossego. A vida que me pertence no presente momento.

Num mundo paralelo, tão meu quanto de ninguém, tão sem dono como todos, ando assim ultimamente, só na multidão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário