quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Atirou e acertou

Esse poema é prum amigo ilumiado que anda lá nas banda da princesa do sertão...

Atirou e acertou

Tentei falar
Tentei entender
Tentei explicar
Você me condenou por amar

Amigo que corta com palavras
Amigo que fere a alma

Reclama por tentar
Sacudir
Tocar
E na gravidade balançar
Em minhas mãos não confiar

Tentei conciliar
Você não desaprovou, mas exprobrou
Como sem nada querer cobrar

Falou de mim e falou para todos,
Da minha paixão sentida
Arrazoou jocosamente como numa brincadeira de montanha russa com letras a atirar

Atirou e acertou
Meu coração
Cortou
Não quero estar do lado geminiano de gostar

Amigo que se foi
Volta com dor cifrada
Em flauta doce e boca amarga da maldade do mundo

Desculpa! Mas vou tentar
Sei que posso me machucar
Mas nada vai doer tanto
Como essa brincadeira letrada de pecar

Se não tiver mais ai quando cair, não reza a profecia
Amigo não amarfanha
Amigo dá ombro pra chorar

Se não tiver mais ai quando fogos de artifícios meu coração soltar
É porque reza a profecia
Amigo que ama segredamente a chorar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário